quinta-feira, 21 de julho de 2016

Como tirar maior partido da sua máquina fotográfica

Como tirar maior partido da sua máquina fotográfica

O post hoje é um artigo do GuestPost, desta vez a cargo da equipa da Zaask. Este artigo é dedicado ao tema de fotografia e como tirar o máximo partido das nossas máquinas fotográficas quando estamos em viagem. Espero que gostem.


Hoje vamos ajudá-lo a tirar maior partido da sua máquina fotográfica, de forma a poder desenvolver o seu lado artístico e fazer os melhores cliques da sua vida!

Foto unsplash de Paul Gilmore

As novas gerações não sabem as vantagens que as máquinas fotográficas digitais têm em relação às analógicas:

  • Podemos tirar as fotos que quisermos sem nos preocuparmos em gastar rolo;
  • Vemos o resultado das fotografias no momento em que as tiramos, não tendo de esperar pela revelação;
  • Decidimos de imediato as fotografias que queremos manter e as que podemos eliminar;
  • Podemos imprimir as fotos que quisermos, ao passo que com o rolo fotográfico temos de revelar tudo.

De qualquer forma, as câmaras digitais também têm algumas desvantagens, nomeadamente:

  • São mais lentas a tirar a fotografia, sobretudo quando estão a fazer ajustes automáticos;
  • Requerem mais luz;
  • Incentivam a tirarmos fotografias desnecessárias pois sabemos que as podemos apagar posteriormente e, não raramente, ficamos com tantas fotos que não sabemos o que fazer com elas.
No entanto, com algumas dicas é possível superar estas desvantagens e tirar o máximo da sua câmara fotográfica.

1. Controle a luz e a exposição

Uma máquina digital utiliza um sensor para tirar as fotografias. Quando tiramos uma fotografia, o obturador digital abre e expõe esse sensor à luz. Este, por sua vez, reage e o cartão de memória armazena a foto que daí resulta. Ora, essa luz que atinge o sensor vai determinar o resultado da imagem.

Foto unsplash de dan carlson

Apesar da maioria das pessoas utilizar o modo automático que ajusta as configurações, nem sempre é o mais indicado. Assim, apesar deste modo proporcionar muitas fotos boas, se quiser tirar maior partido da sua máquina pode arriscar a configurar tudo manualmente. Por isso, será importante conhecer as configurações, que deverão estar em conformidade consoante cada situação:

  • Foco: ajusta a lente em relação ao sensor, assegurando que a luz é projetada nesse sensor;
  • Abertura do diafragma: determina o quanto obturador abre e é medida em F-stops. Uma grande abertura deixa entrar mais luz e vice-versa. Por seu turno, os F-stops mais altos significam uma abertura menor e os mais baixos uma abertura maior. Esta abertura do diafragma irá determinar a profundidade da imagem. Por exemplo, em f-stops baixos, o primeiro plano da imagem estará focado e o segundo desfocado; e vice-versa.

Foto unsplash de Scott Webb


  • ·    A velocidade do obturador: determina quanto tempo o obturador fica aberto. Quanto mais tempo abre, mais luz atinge o sensor. Por isso, nestes casos, qualquer movimento - quer da parte de quem tira a foto, quer de quem está a ser fotografado - resultará numa imagem tremida. Por seu turno, se ajustar manualmente a abertura da máquina e a velocidade do obturador poderá reduzir o tempo entre o clique e a abertura do obturador. Isto é muito importante, por exemplo, para os fotógrafos de casamento ou para fotógrafos de eventos desportivos, pois são casos em que não se pode mesmo perder o momento!

2. Evite fotos tremidas

As camaras digitais exigem mais luz, pelo que o obturador abre com maior frequência, o que pode causar fotografias tremidas ou desfocadas. Usar um tripé ou um monópode pode ajudá-lo a manter a câmara imóvel e evitar que isso aconteça.


Foto unsplash de Sebastian Muller


Outra forma de manter o objeto no foco é ficar a pressionar o portão até metade, esperando que esteja a pronto a tirar a foto. Tal pode reduzir o tempo entre carregar no botão e abrir o obturador, fazendo com que não perca o momento à espera que o automático da câmara faça os ajustes.

3. Use o zoom ótico em vez do digital

O zoom digital é muito inferior, funcionando através de um software interno da câmara que permite aumentar a imagem da mesma forma que o consegue fazer no seu computador. O problema é que pode distorcer uma imagem.

Foto unsplash de Allef V.

o zoom ótico muda fisicamente a distância da lente para o sensor, isto é, trata-se de um zoom real, que realmente aproxima a imagem como se estivesse próximo do objeto.


4. Preserve a bateria e apague as fotos indesejadas

Se quiser preservar a bateria, tire as fotografias sem ter o visor ligado e opte, se possível, por configurar a sua câmara para pré-visualizar as fotos no visor apenas depois de as ter tirado.

Foto unsplash de Vitaly Taranov

Por seu turno, e a não ser que esteja a tirar várias fotografias da mesma cena, olhe para a imagem assim que a tiver tirado. Desta forma saberá se ficou boa ou se precisa de tirar outra. Neste último caso, apague de imediato a que não pretende guardar, evitando acumular muitas fotos indesejáveis, pois mais tarde irá ter dificuldade em organizá-las.


5. Compre mais memória

A maioria das câmaras tem um cartão de memória muito fraquinho e algumas nem sequer têm um. Por isso, vale a pena apostar na compra de um cartão de memória com maior capacidade para tirar o máximo do armazenamento. Guarde o velho como backup. 

Foto unsplash de Jay Wennington

Caso o seu objetivo seja tirar muitas fotos, pode baixar ligeiramente a resolução da fotografia ou aumentar a compressão que a câmara utiliza.


6. Transfira as suas fotos

Não espere que o cartão de memória esteja todo cheio para transferir as suas fotos para o computador, sob pena de ficar sem elas caso aconteça alguma coisa à máquina ou ao cartão. Para além disso, ao fazer a transferência pouco depois as ter tirado, as fotos estarão mais frescas na sua memória e será mais fácil a sua organização.

 Foto unsplash de Faye Cornish


A transferência das suas fotografias para o computador pode ser feita de duas formas, dependendo da câmara: ou remove o cartão e coloca num leitor ou liga a câmara diretamente na porta USB ou FireWire.

7. Opções de impressão conhecer

Para imprimir as fotografias tem duas hipóteses: ou o faz na impressora em casa ou opta por enviá-las para um serviço de impressão.

Foto unsplash de Ross Sokolovski

As duas têm vantagens e desvantagens: se imprimir as fotos na sua impressora pode fazê-lo em qualquer lugar e não precisa de esperar para as ter consigo, mas o custo acaba por ser mais elevado do que imprimir em locais próprios.


8. Partilhe as suas fotos

Para partilhar as suas fotos online (no Flickr, por exemplo) ou por email será melhor redimensioná-las antes de enviá-las, pois as câmaras digitais podem criar imagens muito pesadas. Utilize um software de edição de imagens e reduza a resolução (em pixels/inch) ou reduza o tamanho da imagem (media em polegadas, centímetros ou pixels). Guarde as fotos já redimensionadas, mas mantenha as originais em alta resolução. 

Sem comentários:

Enviar um comentário